Bart Baggett – Handwriting Analysis

Análise de manuscrito 

OBS: O texto a seguir pode conter imprecisões técnicas, devido à tradução livre.

Bart Baggett está entre os principais especialistas em caligrafia forense do mundo. Do currículo do Sr. Baggett:

Ele é uma autoridade qualificada em identificação de caligrafia e examinou mais de 14.000 documentos em mais de 880 casos. Ele é um perito qualificado do tribunal no campo de documentos contestados nos estados da Califórnia, Texas, Alasca, Nevada e Arizona.

A Sister Lucy Truth recorreu à sua perícia para analisar um conjunto considerável de amostras de caligrafia da Irmã Lúcia para detectar quaisquer diferenças. Em sua análise, ele conclui que a amostra de documento enviada escrita pela Irmã Lúcia pós-1967 era “muito provavelmente um documento escrito por outra pessoa com muitas características semelhantes em forma de carta e estrutura de carta”.

Abaixo você encontrará os seguintes documentos que podem ser baixados:

  1. Os três relatórios de análises de caligrafia que o projeto Sister Lucy Truth encomendou para Bart Baggett complementar. Observe que o Relatório 1 foi carregado anteriormente aqui e agora foi revisado e expandido com base em análises adicionais do Sr. Baggett.
  2. O pacote de amostras de caligrafia examinadas usado para o primeiro relatório do Sr. Baggett, documentos Q1-Q5.
  3. O pacote de amostras de assinatura que são o objeto do segundo relatório.
  4. O pacote de escritos pós-1969 e a carta de 13 de abril de 1980 de Ir. Lúcia II ao Pe. Umberto Pasquale, que são examinados no terceiro relatório de Baggett.
  5. O restante das amostras de caligrafia conhecidas por serem escritas por Irmã Lúcia I contra as quais o Sr. Baggett foi capaz de analisar e comparar falsificações posteriores. O Sr. Baggett autenticou estas amostras como sendo de uma única pessoa distinta da caligrafia da Irmã Lúcia II.
  6. O relatório completo que inclui todo o material acima. NB: o tamanho do arquivo é de 51 MB.

DA DECLARAÇÃO DE BART BAGGETT

EXCERTO DO RELATÓRIO 1

Eu, BART BAGGETT, declaro: 1. Sou maior de dezoito (18) anos e não tenho parte na questão da Redação de Irma Lúcia . Se chamado como testemunha, eu poderia e iria testemunhar com competência sobre todos os fatos, declarações e opiniões estabelecidos nesta declaração e no suplemento em anexo com base em meu conhecimento pessoal, exceto quando baseado em minhas informações e crenças e, quanto aos assuntos declarados com base em minhas informações e crenças, acredito que sejam verdadeiras e corretas até onde sei.

2. Pedido

Estou apresentando minha declaração para informar ao Tribunal sobre minha conclusão quanto à autenticidade da caligrafia de IRMÃ LUCIA em uma carta manuscrita de quatro páginas datada de 3 de janeiro de 1944 e uma carta manuscrita de uma página datada de 27 de dezembro de 1969.

3. Anexos

Em anexo a esta Declaração estão as cartas que são os documentos contestados da IRMÃ LUCIA, rotulados como ‘Q1 a Q5’, o que é verdadeiro e correto. Os documentos conhecidos da IRMÃ LUCIA estão anexados e rotulados como ‘K1 a K101’, o que é verdadeiro e correto. Em anexo a esta Declaração estão os documentos rotulados como ‘ANEXO A’, que é meu Curriculum Vitae, que é verdadeiro e correto.

4. DOCUMENTOS QUESTIONADOS (Anexados como Q1 a Q5)

Q1-Q4 Fotocópias coloridas de alta qualidade de uma carta manuscrita de quatro páginas datada de 3 de janeiro de 1944 contendo a suposta caligrafia da IRMÃ LUCIA.

Q5 Uma cópia de uma página de uma carta manuscrita de uma página datada de 27 de dezembro de 1969 contendo a suposta caligrafia e assinatura da IRMÃ LUCIA.

6. BASE DE OPINIÃO

A base para a identificação da caligrafia é que os hábitos de escrita não são instintivos ou hereditários, mas são processos complexos que são desenvolvidos gradualmente através do hábito e que a caligrafia é única para cada indivíduo. Além disso, o axioma básico é que nenhuma pessoa escreve exatamente da mesma maneira duas vezes e duas pessoas não escrevem exatamente da mesma maneira. Assim, hábitos de escrita ou características individuais distinguem a caligrafia de uma pessoa da outra. É realizado um processo de análise, comparação e avaliação entre os padrões conhecidos e o(s) documento(s) questionado(s). As características gerais de classe dos escritores portugueses nativos da época também foram consideradas. As conclusões das opiniões de especialistas são derivadas da Terminologia Padrão ASTM para Expressar Conclusões para Examinadores de Documentos Forenses.

CONTINUAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE BART BAGGETT

7. Observações

  1. As semelhanças entre a escrita conhecida da Irmã Lúcia e Q1-Q4 incluem, mas não estão limitadas a:
  2. Os ângulos em forma de tesoura na linha de base que formam conectores entre as letras. Este é um padrão único e consistente que também ajuda a revelar o ritmo geral da escrita. Os espaços e ângulos agudos são consistentes na escrita conhecida.

As arcadas de linha de base únicas e o ritmo geral do documento Q5 são uma das diferenças significativas que levam à minha conclusão (que difere da minha conclusão para Q1-Q4) neste documento.

  1. O ponto de partida único e a formação do ‘p’ minúsculo. Isso é observável em toda a frase “parte do segredo” que aparece tanto no Manuscrito conhecido (K92) quanto no documento questionado (Q1). Essa comparação lado a lado é útil para ver o espaçamento, as conexões das letras e as formações das letras.

Amostras

 

viii. A formação da letra maiúscula ‘P’;

1. Esta formação apresenta uma ligeira variação entre os documentos conhecidos e o Q5.

b. As diferenças entre a escrita conhecida de Irma Lucia e Q5 incluem, mas não estão limitadas a:

eu. O documento Q5 tem um loop na letra minúscula ‘d’, mas a forma é muito mais estreita, geralmente fechada e pontiaguda. Esta é uma característica de classe comum do período de tempo, de modo que os detalhes da formação são muito mais relevantes do que apenas a existência de tal loop em uma escrita desse período de tempo. O d-loop swooped é uma diferença significativa.

  1. O documento Q5 contém muitos traços ascendentes inclinados verticalmente nas letras minúsculas ‘t’ e ‘l’. Esta é uma diferença significativaquanto às formações inclinadas para a direita consistentes das centenas de páginas de exemplares conhecidos.

iii. A linha de base do documento Q5 é significativamente menos organizada, rítmica e linear do que as amostras de escrita conhecidas;

  1. A letra maiúscula ‘P’ não é formada com uma volta circular como se vê na escrita conhecida;
  2. O ‘F’ maiúsculo no documento Q5 contém uma barra superior curvada e um traço descendente que não é consistente com a formação da letra maiúscula ‘F’ da escritora conhecida. A escritora conhecida usa três traços distintos para formar o ‘F’, não dois.
  3. O traço final da volta na zona inferior das letras ‘g’, ‘j’ e ‘y’ têm uma curva e parecem ser mais longos, mais cheios e, em geral, ligeiramente diferentes em formação dos documentos conhecidos.

vii. As palavras impressas em minúsculas na 11ª linha a partir de baixo na Q5 (que contém a palavra “Esperança”) é uma variação na formação da escrita dentro do documento questionado que não é contabilizada. As cartas impressas não correspondem à autora do restante do documento questionado.

  1. As diferenças entre a caligrafia de Q5 e os documentos conhecidos da Irmã Lúcia não são o resultado de diminuições típicas do movimento muscular relacionadas a doenças da velhice ou simplesmente o número de anos entre amostras confiáveis. Enquanto muitos traços e letras são consistentes com as “características de classe”, o ritmo geral, linhas de base e conexões não são consistentes com a mesma escritora.

8. Parecer

Com base em minha análise minuciosa desses itens e de uma aplicação de ferramentas, princípios e técnicas de exame de documentos forenses aceitos, minhas opiniões de especialista profissional são as seguintes:

Foi determinado que IRMÃ LÚCIA foi identificada como autora de documentos questionados, Q1 a Q4.
É muito provável que a IRMÃ LUCIA não tenha escrito o documento questionado, Q5. É altamente provável que seja um documento escrito por outra pessoa com muitas características semelhantes em forma de carta e estrutura de carta. Não é possível saber se esta é a assinatura natural da autora, ou se foi criada intencionalmente para se parecer com a escrita conhecida da autora.

9. Declaração

Declaro sob pena de perjúrio sob as leis do Estado da Califórnia que o que precede é verdadeiro e correto. Executado neste dia 31 de dezembro de 2018, em Sherman Oaks, Califórnia 91403.

Bart Baggett, Declarante.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR AS AMOSTRAS DE ESCRITA ANALISADA NO RELATÓRIO 1