Dr. Mascaro – RELATÓRIO DO CIRURGIÃO ORAL

RELATÓRIO DO CIRURGIÃO ORAL

Por Dr. Joseph Mascaro, DMD

“Não Há Boa Explicação”, a Não Ser Dois Indivíduos Diferentes

Sister Lucy Truth encomendou ao Dr. Joseph Mascaro, DMD, um renomado cirurgião oral com mais de 40 anos de experiência, para analisar nossas colecções completas de foto e vídeo das duas Irmãs Lúcias e nos dar sua opinião especializada. Dr. Mascaro ressalta que não apenas os perfis dos dois indivíduos estão em “condições quase opostas”, mas essas diferenças não podem ser explicadas através do trabalho odontológico e são causadas por diferentes estruturas esqueléticas da face. Por causa desse fato médico, o Dr. Mascaro conclui: É minha opinião que Lúcia I e Lúcia II não são e não podem ser a mesma pessoa. Essas opiniões são oferecidas com um grau razoável de certeza médica.
Opinião- Depois de analisar as evidências fotográficas e de vídeo ao longo de vários meses, fica claro que “Lúcia I” (Sujeito A/B) e “Lúcia II” (Indivíduo C/D) não são a mesma pessoa. Vários fatos anatômicos corroboram com essa conclusão, principalmente quando os perfis são comparados. Lúcia I apresenta um perfil retrognático, o que as pessoas comumente chamam de “queixo retraído”. Seu queixo está recuado em relação ao nariz e aos lábios. As fotografias de Lúcia I demonstram evidências de protrusão bimaxilar que ocorre quando a maxila e a mandíbula se projetam anteriormente à posição normal. A protrusão bimaxilar frequentemente confere à face uma curvatura convexa na visão de perfil.

Como descrito acima, a boca/dentes de Lúcia I tendem a se estender anteriormente (para frente). Em outras palavras, a área da boca se destaca em relação às outras estruturas faciais. Esta é uma característica subjacente da estrutura esquelética de Lúcia I. Essa estrutura esquelética não mudaria significativamente se todos os seus dentes fossem extraídos e dentaduras fossem usadas. Em contraste, o perfil de Lúcia II apresenta uma condição quase oposta: um perfil prognático com aparência côncava.

Lúcia II apresenta retrusão da maxila (mandíbula superior) e protrusão da mandíbula. Essa saliência é observável, pois a mandíbula / queixo de Lúcia II é quase paralela à ponta do nariz, um ponto anterior à narina. No entanto, o queixo de Lúcia I é recuado em relação à ponta do nariz. A parte mais anterior do queixo de Lúcia I está alinhada verticalmente com um ponto posterior à narina. Imagens dessa discrepância física estão abaixo: Certamente parece que Lúcia II tem dentaduras completas. As dentaduras, que parecem ser pelo menos razoavelmente bem ajustadas, reforçam ainda mais a conclusão de que essas imagens retratam duas pessoas diferentes. A presença de dentaduras manteria a dimensão vertical e evitaria a rotação excessiva da mandíbula. Com a altura vertical mantida, não há uma boa explicação sobre a significativa protrusão do queixo de Lúcia II para frente quando comparada a Lúcia I. os dentes são incapazes de explicar a mudança acentuada nos perfis, particularmente a protrusão mandibular. Um queixo severamente prognata é esquelético, não de origem dentária. Ao longo da minha carreira, realizei centenas de osteotomias de mandíbula (fraturas da mandíbula precisamente planejadas para reposicionar os ossos) e extraí milhares de dentes. Estou familiarizado com as mudanças esperadas no rosto de um indivíduo como resultado da extração do dente e colocação de dentaduras. É minha opinião que Lúcia I e Lúcia II não são e não podem ser o mesmo indivíduo. Essas opiniões são oferecidas com um grau razoável de certeza médica.